sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Escolhas


Hoje tentei escrever em versos
O amor, o desejo, a paixão
Que sinto por ti, mas desisti...
Correria o risco de passar o resto
Dos meus dias a escrever...
Precisava escolher...
Escolhi viver.

Nádia Santos

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Meus pensamentos são seus


Gostaria de dormir
Mas o sono em vão, não vem.
Meus olhos abertos buscam
Na escuridão, tua imagem...
Enquanto meus pensamentos,
Todos seus, partem noite a fora...
Viajando entre nuvens,
Conversando com as estrelas
Perguntando por ti...
Eles levam palavras
Pronunciadas entre lágrimas
Beijos repletos de saudades
Para que no silêncio, 
Ou em sonho (quem sabe)
Tu possa ouvir (talvez) 
O meu chamado, meu amor...

Nádia Santos


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O silêncio de minha voz


Quantas vezes no escuro do quarto 
Apavoro-me com o silêncio de minha voz
Com as assombrações que possam sair
De minha boca... dos meus pensamentos...
Em forma de palavras... de imagens...
Sinto medo que de minha boca escorra fel
E que minha mente distorça o que dela sair... 
Por vezes as sombras do passando teimam
Em querer me assustar... querendo voltar...
Não! Eu quero adormecer! 
Preciso dormir para chegar o amanhecer...
Só assim vão embora as sombras 
E retornam os meus sonhos lindos, 
Tão logo o sol nascer.

Nádia Santos

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Deixa-me viver



Ela chega bem de mansinho e envolvente
Causando, lentamente, frêmitos constantes
Pouco a pouco vou sendo tomada de agonia
E meus doces versos vão perdendo a alegria

Seus abraços são tão apertados que sufocam
Parecem verdadeiramente que me acorrentam
Esqueço tudo de bom, foge de mim a felicidade
Só penso tristeza, desencontros, tudo é saudade

Da minha boca foge a doçura, agora triste
Só gritos mudos... Nos olhos só lágrima existe
Cansados da solidão, que agora me faz sofrer...

E a solidão veste-se sempre de noite escura
Aumentando ainda mais essa minha tortura...
Espero o nascer do sol... deixa-me viver...

Nádia Santos

domingo, 19 de outubro de 2014

Que bom que amanhece...

Quantas vezes terei que presenciar
a lindos finais de tarde e quantas
vezes terei que assistir a linda lua
surgir no céu, sozinha... Sem abraços...
sem carinhos... sem palavras de amor
sussurradas no ouvido de mansinho...

Por quantas noites mais, ficarei
olhando para a imensidão em que
se transforma  o pequeno espaço
que é minha cama, tão arrumada, 
tão fria... quando preferia era vê-la, 
totalmente desalinhada...

Quantas vezes terei que me deitar
sonhando em realizar meus sonhos
de amor... minhas fantasias ardentes...
E muitas vezes, adormecendo, com
os olhos encharcados, acarinhada
apenas por minha solidão, tão fria
mas nos últimos tempos, minha
única companhia...

Mas que bom que amanhece...
Que vem o sol... E assim posso
pensar que tive apenas mais uma
noite de sonhos tristes e que agora ,
com um novo dia eu volte a sonhar
que, de repente, tu vai chegar e vai 
trazer felicidade ao meu viver...

Sempre estarei esperando
por ti... querido AMOR!

Nádia Santos

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Louca saudade


A vida naturalmente segue,
Uns dias são lentos, outros não
Indiferente aos meus sentimentos.
Se sofro ou se estou feliz
Os ponteiros do relógio correm.
Não querem saber de mim
E muito menos dessa louca 
Saudade, que sinto tanto de ti!

Nádia Santos

O que está reservado para nós, um dia vem.



Tem algo mais lindo que amar? 

Tem sim!, amar e ser amado. Dizem os grandes pensadores e sábios que devemos amar sem esperar nada em troca. Amar pelo simples prazer de amar, de dar amor. Mas isso é para poucos, é para os indivíduos com certo grau de pureza de espírito, seres que vieram para esse planeta exatamente para nos ensinar isso. Porque na prática, o que a grande maioria quer é amar e ser amado, de preferência na mesma intensidade, do mesmo modo como se isto fosse possível. Ninguém ama ninguém da mesma maneira, cada um é cada um, com ideias diferentes, modos de vida diferentes, pensamentos diferentes, crenças diferentes, portanto isso é impossível. 

Até uma mãe não consegue amar seus filhos (que ela gerou dentro dela), da mesma maneira. Claro que uma mãe sábia procura não demonstrar isso, pois ama incondicionalmente cada um de seus filhos, mas no intimo sempre irá existir alguma diferença por mínima que seja. Não se diz que os filhos são como os dedos das mãos, todos diferentes, então! Existe a afinidade que pesa (assim eu penso). 

Além do amor, quando existe afinidade, o relacionamento flui naturalmente, mesmo quando há divergências, mesmo nas diferenças dois seres afins se entendem harmoniosamente. 
Quem quer igualdade de sentimento vai passar a vida toda sofrendo, e pior, se achando vítima, incompreendida, infeliz, fazendo outras pessoas infelizes. Deus na sua infinita sabedoria faz com que pessoas cruzem nossos caminhos, mas nem sempre são para ficar ou até que a morte os separe. Na nossa pequenês muitas vezes, não conseguimos ver os motivos, nem tão pouco sentir o que de bom e o aprendizado que aquela pessoa nos deixou com sua passagem pela nossa vida. O orgulho ferido não permite enxergar. O que vemos apenas, o que nos interessa é o amor que foi dado e que não foi correspondido. Quando se trata do amor entre homem e mulher ai tudo fica complicado.

Às vezes conhecemos alguém e pronto, já achamos que encontramos o amor de nossas vidas, nossa alma gêmea, nossa cara metade, aquela pessoa maravilhosa que Deus escolheu para nós e assim nos agarramos a ele(a), de maneira tal que não damos brecha para aquela pessoa falar, respirar, se expressar enfim, vamos sufocando-a com nosso “amor”. Mas a vida não perdoa. E de repente, aquela pessoa vai embora, se liberta daquela bolha sufocante que batizamos de “amor” e bate asas como uma linda borboleta que finalmente se libertou do casulo. E como ficamos? Arrasados e nos perguntando “por quê? Eu lhe dava tanto amor? Eu fazia tudo por ele(a) e para ele(a) e é assim que ele(a) me paga, com a ingratidão? 

Já vi tanta gente fazer assim, se sentir assim... E pior, se aquela pessoa encontra outra, aí sim o mundo desaba de vez. Pois não se aceita a escolha do outro e muito menos a opinião e o apoio de pessoas próximas à aquela pessoa. O resultado é: a revolta, o sofrimento, a dor, passando a se achar a mais incompreendida das criaturas. A frase: “sabedoria é aceitar o que não pode ser mudado”, com o passar dos anos, começou a ser compreendida por mim. Quando a vida nos separa de alguém que pensamos “amar”, temos que seguir em frente (mesmo que esteja doendo), pois lá na frente ao encontrar a pessoa certa (porque eu acredito que existe a pessoa certa, e se aquela se foi é porque não era a certa), ai sim vamos entender porque não ficamos com a outra. Com dor ou sem dor, diariamente a vida nos convida a vivê-la sem rancor, sem raiva, sem amargura no coração. Esses sentimento negativos são atraso de vida, quem os nutre vive infeliz e não consegue fazer ninguém feliz.

Acredito que, quem confia na bondade de um Deus justo (independente de religião), se acalma, aceita e espera Nele, pois o que está reservado para nós, ninguém tira e um dia vai chegar, pois sabemos que Deus trabalha da maneira Dele e não da nossa. 

O importante é nunca se arrepender de dar amor, pois ele retornará para nós em forma de mais amor, é só acreditar. Enquanto isso, vamos respeitando as escolhas dos outros, pois se nos deixaram existe algum motivo, um propósito. Poderia ser o contrário, poderia ser nós a deixar quem dizíamos amar. Ninguém é obrigado a ficar com o outro se não quiser.

E assim, a vida vai nos ensinando e nos propondo a mudança, a nos livrarmos de sentimentos pequenos que só atrasam nossa caminhada e nos ensinando que a paciência é uma virtude, que esperar exige sacrifício, mas que só assim poderemos usufruir deliciosamente da vitória e da recompensa, quando ela vier.

Nádia Santos
17/10/14


* O que me motivou a escrever este texto
foi algo que aconteceu com uma pessoa
próxima a mim. Expressei aqui apenas, 
o meu ponto de vista.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Há dias que...

...meu amor por ti
Escorre pelos olhos...
Há dias que
Meu amor por ti
Transforma-se
Em sorrisos bobos...
Mas geralmente e
Quase diariamente
Meu amor por ti
Veste minha pele de desejo
Deixando-me arrepiada
Querendo teu beijo
Louca e apaixaonada!

Nádia Santos
16/10/14

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Dentro do meu olhar


Todas as noites
Antes de adormecer
Digo que estão sepultados:
Tua imagem e este amor
Que trago dentro do meu ser...
Mas chega o sol e ao despertar
Vejo que de novo renasceste
Dentro do meu olhar...
E o meu coração apaixonado
Louco fica... a palpitar!

Nádia Santos
14/10/14





domingo, 12 de outubro de 2014

Borboleta noturna


À noite fico igual borboleta noturna...
Esvoaçante na escuridão em busca da luz
Que vem de ti e que intensamente me seduz  
E do calor que emana do corpo teu
Que me faz renascer, dando vida ao meu!

- Mas permaneço na escuridão
voando cegamente 
sem tua presença tão ardente...

Nádia Santos

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Essa falta de ti...


Bebo calmamente do silêncio
Tentando minha alma sossegar
Enquanto no corpo há um incêndio
Que a tua lembrança fica a provocar

Trago a tua imagem aqui... retida
Em minha retina sempre constante
Meu coração logo acelera as batidas
Ao recordar teu olhar deslumbrante

E numa cruel e angustiante lentidão
Querendo tirar de mim toda a razão
Às horas, meu Deus, parecem parar...

Pergunto-me o que faço a cada hora
Com essa falta de ti que me devora
E com essa louca vontade de te amar...

Nádia Santos
10/10/14


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Nos teus braços


Ah meu amor...Descobri enfim!
Que muitos dos meus sonhos
Só encontrarei nos abraços 
Que os teus fortes braços 
Tem guardados para mim.

Nádia Santos

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Nada mais...


De nada mais precisarei
Apenas da paz que só 
Encontrarei nos teus braços 
E da luz do teu olhar...
Tudo será felicidade
E ficará tão perfeito
Quando depois do amor
Aninhar-me no teu peito...
Adormecerei feliz, com a alma  
E o corpo sossegados, 
Com a certeza que 
Ao despertar, irei te
Encontrar do meu lado...

- Ao menos sonhar
a vida ainda me permite.

Nádia Santos

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

(A)mar de amor


No jardim que há em mim,
Poucos conseguem sentir
O perfume das flores que nele existe
E nem tão pouco enxergá-lo pois
Somente com um olhar amoroso
Somente com os olhos da alma
Conseguem visualizá-lo...
E conseguindo, poderá
Mergulhar no (a)mar de amor 
Que trago dentro de mim.
E assim que nele se instalar
Esse alguém terá de mim atenção
Entrega ardente e devoção 
E minha intensa maneira de amar.

Nádia Santos
02/10/14


quarta-feira, 1 de outubro de 2014

De tanto falar de ti


Adormeci chorando e cansada
De tanto falar de ti para a lua
Ela ouvia-me atenciosa, calada
Dizer o quanto eu quero ser tua

Esperei o sol, cedinho aparecer
Também para com ele sobre ti falar
E para ele finalmente me aquecer
Pois a noite fria ficou a me abraçar

Falei dos meus sonhos de amor...
Das fantasias, para um passarinho
Que cantava feliz e com fervor!

Pedi que ele cruzasse o espaço
Para levar a ti meu recadinho:
Que preciso amor, do teu abraço.

Nádia Santos
24/08/14