sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Beijo

Na ânsia de beber a vida
as vezes sinto medo de 
morrer engasgada com a
intensidade do meus goles.
* * * * * * * *
*Passarei um tempo ausente.
Beijos pra vocês e obrigada pelo carinho.

Nádia Santos

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Tudo eu daria


Tudo eu daria 
Para estar nos teus braços
Sem pensar em sexo
Apenas envolvida num abraço
Quente, protetor, amoroso, terno...
Tudo eu daria
Para sentir tua presença
Ouvir as batidas do teu coração
E ter como minha sentença
A certeza do teu amor, minha paixão!
Tudo eu daria
Para sentir os carinhos teus
Ouvir-te dizer: "Estou sempre contigo"
Vivermos à dois alegrias, 
Sonhos, delírios e fantasias...
Amor, vem ser feliz comigo!

Nádia Santos



Por ti

Sinto um calor no meu corpo
Quando meu pensamento 
É invadido por ti
E me excita despertando a paixão!
Sinto dentro de mim um vulcão
Que se alimenta de tua imagem,
Aumentando com voracidade
Esse louco e ardente sentir...
Que vem me queimando as entranhas,
Que vem arrepiando meus pelos
E vai crescendo numa fúria tamanha,
Deixando minha alma em desespero...
Sinto fluir o gozo, a flor da pele
Que transborda, inundando meu jardim
Desejando que bebas no cálice
De minha flor, dessa essência que é tua
E que derramo somente por ti!

Nádia Santos
20/02/14

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

A lua está comigo, amor!


Sabe amor por que a lua
Se esconde de ti?
É porque ela vem pedir-me 
Para atender teu chamado, 
Para responder-te com um sim,
Sonoro e muito apaixonado!
A lua se esconde de ti amor, 
Porque ela fica empurrando-me 
Para os teus ardentes braços...
Então espera amor! 
Hoje vou te entregar o meu amor
Enquanto a lua iluminará o teu quarto, 
O nosso amor e finalmente 
Serás meu e eu serei tua...
Entre gemidos, beijos e abraços!

Nádia Santos

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Desde que tu foste embora

Desde que tu foste embora
Levaste minha inspiração
Não percebo passar as horas
É só um vazio no coração

Desde que tu foste embora
Meus versos ficaram tristes
Só a saudade o peito devora
E essa solidão que persiste

Já não sinto mais prazer
Em escrever ardentes versos
Pois é só tristeza meu viver
Ficou sem calor meu universo

Não existe mais vontade
Nem alegria em mim agora
Fugiu de repente a felicidade
Desde que tu foste embora...

Nádia Santos
16/02/14

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Solitárias madrugadas

Nos caminhos que percorro
Nas madrugadas silenciosas
Solitárias, todos me levam a ti
E quando a lua ilumina toda noite
Veste-me também de desejo...
E enlouqueço, querendo te sentir
Fecho os olhos e com minhas mãos
Acaricio meu corpo... Sinto teu calor
E a vontade louca, que ele tem do teu...
Meu olhar se perde na escuridão
Vou aos poucos adormecendo
Rendida nos braços da solidão
No peito vou esse amor acalmando
E também no corpo essa doida paixão...

Nádia Santos
15/02/14



quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Bem dentro dos meus olhos


Um sorriso nos lábios
Os olhos também a sorrir...
Para os desatentos,
Tudo bem, tudo perfeito...
Mas para os mais atentos
Apenas um disfarce...
Pois se olharem além
Do meu sorriso
Verão que choro
A dor de tua ausência...
A dor de te perder
Sem jamais te ter...
Sentindo afoga-se
Nessas lágrimas
Os melhores sentimentos
Que guardava para te dá
E que agora, para não
Chorar ainda mais
Tenho que deixa-los fenecer
Tenho que deixa-los ir
Para continuar a viver...
Viver um novo amor...
Um novo e intenso sentir.

Nádia Santos
12/02/14

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Guardarei...

No baú do meu coração 
Eu guardei: todos os beijos,
Todos os abraços quentinhos,
Todos os carinhos ousados,
Todos os olhares lascivos,
Todos os desejos luxuriosos,
Toda essa paixão desvairada
Que reservava só para ti...
E que para mais ninguém
Será entregue...
Também tua imagem
Ficará num lugar especial
Entre minhas lembranças...
Só assim, com o baú ocupado
Com todos os sentimentos 
E anseios destinados a ti fechado, 
Poderá meu coração amar outra vez 
E para um novo amor terei:
Novos carinhos, novos abraços, 
Novos beijos e uma nova chama 
Acenderá, carregada de desejos.

Nádia Santos

Até que o eterno dure...

Não quero nada demais...
Só alguém que surja de repente,
Que me fascine, que me encante,
Que se apaixone por mim
Intensa e loucamente!
Que seus braços me tome,
Que me ame apaixonadamente,
Mas que depois não me abandone...
Que nosso infinitamente
Se renove a cada amanhecer,
Sem se importar com o tempo
Vivendo o amor e a paixão
Ardentemente, até que
Nosso eterno dure...

Nádia Santos
12/02/14

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Encontro fatal

É com um sorriso amarelo
Nos lábios e essa minha
Aparente calma
Que consigo esconder
As inquietações que 
Afligem minha alma...
É quando acontece
Durante minha madrugada
O encontro fatal de mim,
Com meus outros "Eus"
Que em mim habitam...
- Momento crucial,
  porém necessário.

Nádia Santos
09/02/14

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Abandonar meus versos

Sinto vontade de não mais escrever
Versos apaixonados... Para quê? 
Se eles não chegam ao teu coração...
Nem sei se os leem e se causam em ti
Desejos ou alguma emoção...
Queria não mais precisar gritar
Teu nome no meio da noite
Orando para que me escutes!
Desejava era olhar do lado...
Ver-te e que apenas com os olhos
Tu lesses as súplicas ardentes
Desse desejo que me consome...
E que entendesse-me e loucamente
Em teus braços apertasse-me...
Queria não mais me envolver 
A mim... abraçando-me...
Imaginando ser tu a enlaçar-me
E sentir, enfim, o teu calor
Em meu corpo a queimar-me!
Preferia abandonar meus versos
Deixá-los em gavetas, amarelando
Para ter a ti, o poema mais belo
Que me deixa feliz com minha alma 
Em festa... todos os dias te amando.

Nádia Santos
09/02/14

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Grito aflito


É na noite escura
Nas horas caladas
Que deixo cair o véu
Que cobre minha dor...
É na noite silenciosa
Que prostrada no chão
Choro desiludida
A crueza com que a vida
Destrói meus sonhos
E me põe em provação...
Coloca no meu caminho
Pessoas que só brincam 
Com meu coração...
À noite... sou o que sou...
Solto meu grito aflito
Tentando me libertar
Que vá essa tristeza
Para o infinito e que possa
Minha alma enfim chorar.

Nádia Santos
07/02/14


quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Não vejo os astros...

De repente ficou meu céu acinzentado
O dourado que me aquece desapareceu
Assim como de meu corpo amordaçado
A alegria que dante existia, se escondeu

Por que se escondeu de mim o pôr do sol?
Roubando dos meus olhos doce encanto...
O céu desbotou, não avermelhou o arrebol
Há silêncio, não escuto pássaro nem canto

Até a lua se foi me tirando toda a acalma
Deixando às escuras as praias de minh'alma
Não balançam meus cabelos, não há vento...

Cortaram-me as asas... ando de rastros
E prostrada no chão, não vejo os astros
Não sei até quando durará esse tormento...

Nádia Santos
05/02/14


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Minha sina

Como posso eu  pensar
Que sou poeta desejada
Com versos a encantar
Outra alma apaixonada...

Como posso imaginar
Ter toda essa vaidade
Pensar que meu versejar 
Pode trazer felicidade...

Sou só uma sonhadora
Apaixonada e pecadora
Desejando ser amada...

Mas minha sina é triste
A solidão, o vazio persiste
E me faz sentir um nada!

Nádia Santos
05/0214



segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

É inverno dentro de mim

Ai como dói essas amarras que a vida me impõe...
Me segurando no tempo... me impedindo de ir...
Me obrigando a aceitar o que não quero viver...
Há dias de revolta, de dor... brigo comigo, me xingo
Me questiono, volto no tempo querendo encontrar
Respostas, explicações... Quero mudar tudo, fugir, 
Me esconder, ir para bem distante de tudo 
Que me inquieta... mas não sei como... não consigo...
A vida por vezes é cruel, me obrigando a passar
Por provações, a passar por perturbações...
Dói tudo... Dói ainda mais essa terrível solidão.
Queria fechar os olhos e dormir e quando acordasse
Desejaria não lembrar  de nada e sentir
Leve minha alma e meu coração...
Agora tão envolto em tristeza e escuridão.
Vai embora dias de inverno! Pois é inverno 
Dentro de mim... Deixa brilhar em meu céu o sol,
Ardente e intenso... deixa voltar luz...

Nádia Santos
03/02/14

Distância

Vou por aqui seguindo
As vezes sem saber onde 
Vai dá esse caminho... mas vou!
Por dias nem sempre
Ensolarados e por noites
Nem sempre estreladas...
De certo, só a distância
E o oceano que nos separa...
Mas que não nos impede de sentir 
Desejos e sentimentos 
Represados dolorosamente...
Suportando a ausência
As noites frias de carência
E essa distância que a vida
Nos impõe sem complacência!

Nádia Santos
03/02/14





domingo, 2 de fevereiro de 2014

Brincadeira deliciosa

Ia saindo como uma leoa saciada
Quando me segurou o meu amor
Pedindo-me de mansinho para ficar...
Olhando-o agora, um doce gatinho
Suspirei... pois dele lembrei,
Ainda a instantes, possuindo-me
Como um leão, enfurecido e dominante!
Difícil recusar tão doce pedido
Ele só queria descansar
Sobre meus seios quentes
Após extravasar seus desejos ardentes.
E agora está o nosso quarto
Numa desordem maravilhosa
Mas tenho em meus braços meu gato
Querendo recomeçar, todo assanhado
Uma brincadeira deliciosa...
- Vira leão meu gatinho... vira!

Nádia Santos
01/02/14
* * * * * * * * * *

Novo conto sensual
no meu blog MEUS CONTOS:
O beija-flor do sonho
*Clique no título para ler

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Meu amor... minha fruta

Vem amor, que preparei para ti
Uma doce surpresa, pois hoje quero
Bem lentamente, fazer-te enlouquecer!
Deita agora e não diga nada
Serás uma fruta, te farei parte de minha salada...
Vou passar chantilly no corpo teu
De cima a baixo, deixarei tua pele lambuzada
Pois assim te quero, meladinho e todo meu!
Soltarei por cima de ti uvas e morangos
Em pedacinhos, depois de decorar-te
Comerei todas devagarinho... e o creme?
Minha língua degustará de mansinho!
E entre intensos sussurros e ais
Vibrarei com teus pedidos de quero mais!
E eu, num deleito prazeroso
De ti não vou querer mais largar
Pois é desse jeito ardente e gostoso
Que loucamente quero te amar!
E nessa sintonia deliciosa
Tu também vais querer
Que eu seja tua fruta saborosa
Que guloso tu vais querer comer!

Nádia Santos
01/02/14